terça-feira, 12 de junho de 2018

Che - sonho, amor, luta...


Xilogravura de Arievaldo Viana
Che Guevara, 90 anos de nascimento14/06/1928 a 8-9/10/1967

☻/*˚
/▌* ° 。★ ¡Hasta la victoria, siempre!
/ \ ˚. *˛

  "Déjeme decirle, a riesgo de parecer ridículo, que el revolucionario verdadero está guiado por grandes sentimientos de amor.." Che Guevara
 
"Eu creio que a primeira coisa que deve caracterizar um jovem socialista é a honra que se sente por ser jovem socialista. Essa honra que o leva a mostrar-se a toda gente na sua condição de ser socialista, que não o submete à clandestinidade, que o não reduz a fórmulas, mas que ele manifesta em cada momento que lhe sai do espírito, que tem interesse porque é o símbolo de seu orgulho.

Junta-se a isso um grande sentido do dever para com a sociedade que estamos construindo, para com os nossos semelhantes como seres humanos e para com todos os homens do mundo.

Isso é algo que deve caracterizar o jovem socialista. Paralelamente, uma grande sensibilidade a todos os problemas e uma grande sensibilidade em relação à justiça." Che Guevara

Ernesto Rafael Guevara de la Serna, conhecido como "Che" Guevara, o político, jornalista, escritor e médico argentino-cubano. "Cidadão do Mundo" como se definia. “Não me esperem para a colheita, pois estarei sempre a semear...” Che Guevara
Nasceu em 14 de junho de 1928, Rosario/Argentina e, Faleceu em 8/9 de outubro de 1967, La Higuera/Bolívia
Che media 1,82 m
«Sonha e serás livre de espírito... luta e serás livre na vida. » Che Guevara

  CHE, O ROMÂNTICO MÉDICO ASMÁTICO QUE ESCREVIA POEMAS
por Gláucia Lima
O Planeta pede atitudes mais sustentáveis e ações mais concretas por cidades mais limpas, mais justiça social e muita Paz. Além, do doce sentimento de ternura para aplacar a hostilidade e tornar o ser humano mais fraterno e feliz. Não por menos, sua mais famosa frase é: ¡Hay que endurecerse, pero sin perder la ternura jamás! Che

Ernesto Che Guevara, era adepto de duas rodas e foi viajando em uma motocicleta que Che inicia sua trajetória de Lutas.

Em dezembro de 1953, chega à Guatemala e lá, presencia a luta do presidente Jacob Arbenz Guzmán, recém-eleito presidente, liderar um governo de cunho popular, na tentativa de realizar reformas de base, eliminar o latifúndio, diminuir as desigualdades sociais e um dos principais objetivos, garantir a mulher no mercado de trabalho.

À época, opondo-se a Arbenz, o governo americano, através da CIA, coordenou ações várias contra seu governo, incluindo aí apoio a grupos paramilitares, pelo fato de não se alinhar à sua política para a América Latina.

Che tem nestas experiências na Guatemala, forte contribuição na construção de sua consciência política. E, posiciona-se contra o imperialismo americano se auto definindo: revolucionário.
Podemos dizer de Che, o "guru moral". Ao proclamar que pelas ruínas dos antigos, um novo homem tinha de ser criado, sem ego e com um amor feroz pelo próximo.
Che, o romântico médico asmático que escrevia poemas, o bravo combatente que lutou contra a opressão e a tirania, o rebelde de espírito incorruptível que lutava por justiça social, acreditava que "lutam melhor os que têm belos sonhos", para quem "Se o presente é de luta, o futuro nos pertence..."

E, como ele, também acreditamos que "Podem morrer as pessoas, mas nunca suas ideias." afinal, ¡No lo vamos a olvidar! - Não, Nós não deixaremos que ele seja esquecido. Conforme ecoavam as vozes dos jovens pela América Latina naquele final da década de 60, por ocasião de seu assassinato: "Ele irá ressuscitar". Afinal, a impressão que nos passa seus assassinos, ao enterrá-lo no anonimato, tendo amputado suas mãos, é de que o temiam morto tanto quanto o temiam vivo.
"Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros." Che

Carta de um pai cubano aos jovens revolucionários e estudantes de medicina
Existen cosas que no nos hacen falta la traducción…

Al llegar de Chile, Luis Caballero, me ha enviado un correo desde Cuba a mi hijo João, estudiante de medicinas. Luis e Isabel son parejas y tienen una hija médica que cumple misión en Venezuela.
 Gláucia, amiga compañera,
Espero que la hayan pasado bien en esas merecidas vacaciones que pasaron en tierras de Allende, aunque en realidad y haciendo justicia Allende es todos, es del mundo de los humildes de los que en este mundo tenemos un poco de decoro de decencia y honradez, amiga te había prometido hacer una reflexión para regalársela a tu hijo un poco demorada pero ahí va.
Un revolucionario lo primero que tiene que tener son sentimientos de solidaridad, tiene que tener enorme sensibilidad humana, sentir el sufrimiento de los demás como el de uno propio, todo eso se va formando poco a poco. También tiene que desarraigar de uno el egoísmo, la vanidad, el individualismo todo eso que forma parte de la psicología del ser humano´. Para ser revolucionarios no se puede ser egoísta, vanidoso ni ambicioso. Esa es la concepción pura del revolucionario, quizás un poco sublime un poco idealizada pero ese es el ser humano nuevo del siglo XXI, por lo que lucharon el Che y Fidel que todavía sigue enseñándonos y dándonos ejemplos y de todos los que comprendimos y hemos luchado junto a ellos hasta hoy y seguiremos aprendiendo y educando a los mas jóvenes. Un ser con un total desprendimiento, con una total enteres, con enorme capacidad de sacrificio, capacidad de análisis y con capacidad de independencia de pensamiento, porque a pensamiento es la guerra mayor que se nos hace y hay que ganarla con ideas y pensamientos. Está muy claro que todo esto está ligado intrincadamente con el pensamiento económico socialista de que nos hablara el Che y que tanto esfuerzo ha desarrollado Fidel por poner en práctica. Una economía para satisfacer nuestras necesidades materiales, para el buen vivir, para el vivir mejor. No como la capitalista Insaciable, consumista, degradadora e insostenible. Hay un punto en la mente del ser humano que es donde se pierde, que cuando comienza a satisfacer todas sus necesidades económicas y por lo tanto las materiales, ahí es ese punto, empieza entonces el consumismo, empieza la especulación y vuelve a comenzar a pensar egoístamente e individualmente, esto ocurre cuando todavía su conciencia socialista no está completamente formada o consolidada. O influyeron y predominaron las ideas capitalistas y se produce en la mente del hambre un proceso degeneración.

En las circunstancias en que viven y se desarrollan los jóvenes de los países capitalistas como ustedes la situación se torna más difícil, porque se enfrentan a dos situaciones, Una tu conciencia revolucionaria , solidaria humanista , que comprendes que patria es humanidad, que el deber es estar allí donde se es mas útil, donde se aporta un granito de arena a ese sueño de los pueblos que un mundo mejor es posible y en el caso tuyo que optaste por ser médico para aliviar el dolor de los que sufren una enfermedad o salvarle lo más preciado a un ser, la vida. Y la segunda. Ganar un poco de dinero para satisfacer las necesidades mías y de mi familia, necesidades siempre crecientes que nunca podrán satisfacerse.
Si se vive la vida por esta última razón, estoy convencido que no merece la pena tanto esfuerzo, si se únelos dos y predomina los primeros conceptos, entonces si se vivirá orgulloso toda la vida de la carrera seleccionada y las decisiones tomadas. Hasta aquí hermana, perdóname por lo extenso que he sido, les deseo éxito en sus vidas social y privada.
Su hermano Luis de Cuba.
¡Gracias por conocerte!

¿Qué culpa tengo yo de tener la sangre roja y el corazón a la izquierda? Che Guevara
Comandante Chefe de Cuba e líder da Revolução Cubana à época, Fidel Castro Ruz, leu oficialmente a carta de despedida do comandante Ernesto ‘Che’ Guevara.
Havia sido escrita em Havana para ser lida no momento oportuno. E, se fez necessário dar conhecimento para desmontar intrigas da CIA, que asseveravam que Fidel Castro havia matado Che.
A carta fazia referencia a momentos significativos vividos juntos com Fidel, liberava Cuba de toda responsabilidade na nova missão libertária na América do Sul. Quase dois anos depois, Che foi assassinado na selva boliviana, por soldados deste país treinados pela CIA.
Che havia saído de Cuba em direção a África em abril de 1965 e, Fidel tornou pública a carta em 03 de outubro de 1965 do mesmo ano, no momento em que se efetivava em Havana a apresentação do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba.
No emocionante ato, Fidel explicou que a relação de membros do dito Comitê Central faltava alguém, no caso o Comandante Ernesto ‘Che’ Guevara, que por direito merecia estar na direção partidária cubana que se constituía, e, em seguida, de maneira convincente, leu a carta de despedida de Che.
Dia histórico, momento transcendental de exemplo de unidade revolucionária. Como disse Fidel naquele 3 de outubro de 1965: “Defenderemos, como temos defendido até hoje, nossos pontos de vistas, nossas posições e nossa línea, de maneira consequente com nossos atos e feitos. E nada nos afastará deste caminho”.
 “devemos criar uma união espiritual de todos nossos países, uma união que vá mais além do palavreado e da conveniência burocrática e se traduza na ajuda efetiva a nossos irmãos, brindando-lhes nossa experiência...” Che
Em seguida, trechos que destacamos da carta (em espanhol - íntegra no final):

“…en una revolución se triunfa o se muere.
……
He vivido días magníficos y sentí a tu lado el orgullo de pertenecer a nuestro pueblo en los días luminosos y tristes de la Crisis del Caribe.
Pocas veces brilló más alto un estadista que en esos días, me enorgullezco también de haberte seguido sin vacilaciones, identificado con tu manera de pensar y de ver y apreciar los peligros y los principios.
……..
Otras tierras del mundo reclaman el concurso de mis modestos esfuerzos. Yo puedo hacer lo que te está negado por tu responsabilidad al frente de Cuba y llegó la hora de separarnos.
…..
… y dejo un pueblo que me admitió como un hijo; eso lacera una parte de mi espíritu.
…cumplir con el más sagrado de los deberes; luchar contra el imperialismo dondequiera que esté; esto reconforta y cura con creces cualquier desgarradura.
…….
Que en dondequiera que me pare sentiré la responsabilidad de ser revolucionario cubano, y como tal actuaré. Que no dejo a mis hijos y mi mujer nada material y no me apena: me alegra que así sea. Que no pido nada para ellos, pues el Estado les dará lo suficiente para vivir y educarse.
Hasta la victoria siempre, ¡Patria o Muerte!

Te abraza con todo fervor revolucionario,” Che.

(Ao final, íntegra da carta que o Comandante Che Guevara deixou a Fidel Castro)

Che foi condecorado no Brasil
Poucos sabem ou não falam no assunto, mas Che Guevara foi condecorado no Brasil!
Envergando a tradicional farda de brim verde-oliva da revolução cubana, o Ministro Ernesto Che Guevara recebeu a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, que lhe foi conferida pelo, então Presidente, Jânio Quadros.

É a mais alta condecoração brasileira atribuída a cidadãos estrangeiros como forma de reverenciar sua importância para o país. Era 19 de agosto de 1961.
 "Prefiro morrer de pé a viver ajoelhado." Che

✎ sobre esta famosa foto de Che:
Funeral de las víctimas en la explosión del vapor "La Coubre" La Habana, el 5 de marzo de 1960.
"Después de haber tomado las fotos de Dorticós y de Fidel se produce un vacío. No levanto la cabeza, sólo muevo mi Leica con un objetivo de 90 milímetros. Entonces aparece el rostro severo, terrible, acusador del Che. Su expresión es tan impresionante que tuve una reacción de retroceso y, en la misma fracción de segundo, apreté el botón... Esa es la foto..." Alberto Korda

 "Os grandes só parecem grandes porque estamos ajoelhados." Che


 Íntegra: Carta que o Comandante Che Guevara deixou a Fidel Castro Ruz
Fidel:

Me recuerdo en esta hora de muchas cosas, de cuando te conocí en casa de María Antonia, de cuando me propusiste venir, de toda la tensión de los preparativos.

Un día pasaron preguntando a quién se debía avisar en caso de muerte y la posibilidad real del hecho nos golpeó a todos. Después supimos que era cierto, que en una revolución se triunfa o se muere (si es verdadera). Muchos compañeros quedaron a lo largo del camino hacia la victoria.

Hoy todo tiene un tono menos dramático porque somos más maduros, pero el hecho se repite. Siento que he cumplido la parte de mi deber que me ataba a la Revolución cubana en su territorio, y me despido de ti, de los compañeros, de tu pueblo que ya es mío.

Hago formal renuncia de mis cargos en la Dirección del Partido, de mi puesto de Ministro, de mi grado de Comandante, de mi condición de cubano. Nada legal me ata a Cuba, sólo lazos de otra clase que no se pueden romper como los nombramientos.

Haciendo un recuento de mi vida pasada, creo haber trabajado con suficiente honradez y dedicación para consolidar el triunfo revolucionario.

Mi única falta de alguna gravedad es no haber confiado más en ti desde los primeros momentos de la Sierra Maestra, y no haber comprendido con suficiente celeridad tus cualidades de conductor y de revolucionario.

He vivido días magníficos y sentí a tu lado el orgullo de pertenecer a nuestro pueblo en los días luminosos y tristes de la Crisis del Caribe.

Pocas veces brilló más alto un estadista que en esos días, me enorgullezco también de haberte seguido sin vacilaciones, identificado con tu manera de pensar y de ver y apreciar los peligros y los principios.

Otras tierras del mundo reclaman el concurso de mis modestos esfuerzos. Yo puedo hacer lo que te está negado por tu responsabilidad al frente de Cuba y llegó la hora de separarnos.

Sépase que lo hago con una mezcla de alegría y dolor, aquí dejo lo más puro de mis esperanzas de constructor y lo más querido entre mis seres queridos… y dejo un pueblo que me admitió como un hijo; eso lacera una parte de mi espíritu. En los nuevos campos de batalla llevaré la fe que me inculcaste, el espíritu revolucionario de mi pueblo, la sensación de cumplir con el más sagrado de los deberes; luchar contra el imperialismo dondequiera que esté; esto reconforta y cura con creces cualquier desgarradura.

Digo una vez más que libero a Cuba de cualquier responsabilidad, salvo la que emane de su ejemplo. Que si me llega la hora definitiva bajo otros cielos, mi último pensamiento será para este pueblo y especialmente para ti. Que te doy las gracias por tus enseñanzas y tu ejemplo al que trataré de ser fiel hasta las últimas consecuencias de mis actos. Que he estado identificado siempre con la política exterior de nuestra Revolución y lo sigo estando. Que en dondequiera que me pare sentiré la responsabilidad de ser revolucionario cubano, y como tal actuaré. Que no dejo a mis hijos y mi mujer nada material y no me apena: me alegra que así sea. Que no pido nada para ellos, pues el Estado les dará lo suficiente para vivir y educarse.

Tendría muchas cosas que decirte a ti y a nuestro pueblo, pero siento que son innecesarias, las palabras no pueden expresar lo que yo quisiera, y no vale la pena emborronar cuartillas.

Hasta la victoria siempre, ¡Patria o Muerte!

Te abraza con todo fervor revolucionario,

Che.

“o herói popular deve ser uma coisa viva e presente em cada momento da história de um povo...” Che

  8/9 de outubro de 1967 e, Che era assassinado...
Ernesto Rafael Guevara de La Serna, o mais famoso revolucionário socialista do século XX, nasceu em 14 de junho de 1928 (há 90 anos), na cidade de Rosário (Argentina). Capturado por soldados bolivianos, na selva de La Higuera (Bolívia), em 8 de outubro de 1967, foi executado no dia seguinte (9 de outubro), na aldeia boliviana.

‎ ¡Hasta Siempre - Comandante Che Guevara!



terça-feira, 10 de abril de 2018

Lula e a Defesa da Democracia


Desordem e Fascismo
 “Joguem esse lixo pela janela”. Frase captada no áudio do avião da FAB que levava o ex-presidente Lula para Curitiba, no dia 7 de abril, esboça a intolerância a que chegou a compostura de uma sociedade preconceituosa e prepotente. Pessoas que despejam a fúria, indiferentes aos graus de reação, contra quem não gostam. Usam redes sociais e quaisquer meios e comunicação para virilizar expressões baixas e alimentar um motivo para tal, atenuando a uma pessoa a responsabilidade pela corrupção do País.
 Nove anos aumentados de mais três para que não haja prescrição. Punição por corrupção e lavagem de dinheiro, eis a razão. A ordem é Lula fora das eleições. Ele, sabedor que o monopólio da imprensa e as camadas mais abastadas o perseguiriam para não voltar à presidência da República, ousaria em receber um apartamento, um sítio, em troca de benesses. Isso o que passam para o povo. E é isso que incomoda os defensores da democracia, é isso que nos faz reagir.
 Sem documentos, sem provas, o presidente que levou esperança aos pobres, aclamado mundialmente, está preso, enquanto os defensores do golpe festejam, brindam a prisão do “chefe da quadrilha”, esquecendo-se, ou fazendo de conta que não sabem, do bando que cometeu o maior assalto ao País, o impeachment de uma presidenta honesta. Dilma poderia não estar fazendo um bom governo, aceito, mas desde que assumiu a segunda gestão o seu fim estava delineado. É fato.
 Nós, repito, defensores da democracia, não estamos sendo repetitivos ao tratarmos tamanha injustiça como julgamento político. O golpe foi estrategicamente montado, seja nos Estados Unidos, na BOVESPA, na FIESP, no congresso (nesse caso a comprovada compra de votos), estando o então vice-presidente a par de tudo, pois seria a peça para transição até as eleições sem Lula, uma vez que os processos estavam nas mãos de opositores do PT, alguns com familiares egressos do PSDB.
 Não houve surpresa durante o governo golpista: entreguismo, engavetamento, corrupção e proteção a bandidos em meio à cegueira da Justiça. Petrobras sendo vendida, mudanças nos projetos sociais, concessões sem retorno ao Estado, mercado financeiro antecipando a taxa Selic, ou seja, um desgoverno e uma impopularidade que eles não se preocupam. Porque Lula “está fora”, preso feito bandido como eles, pagando por defender quem não pode cursar faculdade, entrar em teatro, ter direito a Mais Médicos, porque o Brasil sempre foi dominado por uma minoria hoje incomodada, que não aceita tantas derrotas nas urnas.
J. Lucas Junior
 Joguem Lula pela janela, milhões estarão lá embaixo pegando-o, abraçando-o, sentimento que, pelo visto, carece àquelas mentes maldosas. Lembremos de Dilma, que também foi jogada, das humilhações contra a sua honra, lembremos da imprensa, que agora reclama da “violência”, ela tão manipuladora de opiniões. Mas que tenhamos direito ao que nos é garantido pela Constituição Federal, à plenitude de defesa e à questão da racionalidade, para que o povo, nas urnas, responda aos que sentenciam a morte.
   _J. Lucas Junior: Coordenador da Bibliolteca Rodolfo Teófilo, escritor, autor do romance “Guerreiro sem Cor”.

sexta-feira, 6 de abril de 2018

POVO COM LULA: POVO RESISTE, POVO NA PRAÇA, POVO NA LUTA!

“Moro sonhou que a prisão de Lula seria sua própria consagração; em vez disso, levou a imagem de Lula carregado pelo povo para todo o planeta. Os medíocres são assim; se vêem como gigantes enquanto são esmagados pelos que realmente conquistaram a grandeza.” Pablo Villaça

LULA PRESIDENTE – LULA É A GENTE – LULA INOCENTE
LULA, GUERREIRO DO POVO BRASILEIRO
Lula é, historicamente, a face do operário na democracia brasileira. A partir de seu governo, as possibilidades reais de minorias e diversidades obterem oportunidades concretas na sociedade. E, principalmente, matar a fome e a sede de seu povo, sem esquecer os países periféricos. #LulaLivre #LulaValeALuta
"Lula só será preso porque não aceitou as propostas dos EUA. Desde a venda do pré-sal até a não se curvar ao fim da Democracia, Lula vem resistindo às ordens do Tio Sam..."

Somos gado nesse imenso curral Brasil, transformado em quintal dos EUA, manipulado pela mídia que idiotiza e bestializa, tendo uma das elites mais estúpidas e medíocres do planeta!
 “Admirável Gado Novo”: forte crítica social onde vemos expressados nela a luta de classes. A imposição e manutenção desse modelo social através da alienação das massas, metaforizada na figura do gado!
ADMIRÁVEL GADO NOVO
DENÚNCIA SOCIAL NA MÚSICA “ADMIRÁVEL GADO NOVO” DE ZÉ RAMALHO: OS MECANISMOS MASSIVOS DE ALIENAÇÃO
É o BRASIL!
Bordando para o Lula no Acampamento Lula Livre em Fortaleza, Praça da Justiça Federal
Marielle, Presente!
Casa de Amizade Brasil/Cuba-CE leva sua Tenda e seu apoio à Liberdade de Lula e à Democracia brasileira.
Casa de Amizade Brasil/Cuba - #LulaLivre - Fórum de Mulheres no Fisco
Nota de Apoio de Cuba ao Povo brasileiro foi lida no Acampamento Lula Livre em Fortaleza, Praça da Justiça Federal.
Gláucia Lima - Eunice Bezerra - Cléia Saraiva
FMFi, Casa e FBP
Resistência: Essa é a palavra!
Fórum de Mulheres no Fisco - FMFi na Luta por Equidade e Democracia!
AQUI ESTÁ O POVO SEM MEDO DE LUTAR E SER FELIZ!

#LULALIVRE 

RESISTÊNCIA 
ONU se diz preocupada com perseguição a Lula
ATENÇÃO - O cidadão Luiz Inácio Lula da Silva foi atacado a tiros, condenado em duas instâncias da Justiça em seis meses e está para ser preso antes de o processo terminar. Enquanto isso, militares ameaçam dar golpe se a Justiça favorecer Lula. Como disse Gilmar Mendes, essa perseguição mancha a imagem do Brasil. A ONU reagiu hoje a essa perseguição!

Resistindo com Lula 
Casa Brasil / Cuba -Ceará 
#LulaLivre #LulaInocente
O Triplex é nosso! 
Luta e Resistência 
Abrazos desde Brasil a nuestra más querida Cuba
Besos 
😍😘
"O que explica a escalada de violência na política brasileira é o ódio de uma elite arcaica que goza com a distinção."
"Dizem que sou ingênuo por acreditar na inocência do presidente Lula. Mas ingênuo mesmo é quem acredita na sua culpa. Lula teve:
- sigilo bancário quebrado;
- sigilo fiscal quebrado;
- sigilo telefônico quebrado;
- sua casa invadida e todos os seus computadores e da sua família (até o tablet do neto) apreendidos;
- o Instituto Lula invadido e todos os computadores apreendidos;
- investigação realizada por empresas de auditoria e pesquisa de renome internacional contratada por Moro para encontrar algo que o implique em qualquer esquema de corrupção antes, durante ou depois do seu governo;
- dentre muitas outras incursões invasivas que Moro promoveu nos últimos dois anos contra Lula...
Depois de três anos de investigação intensa usando recursos milionários do Estado para encontrar uma mísera prova material contra Lula, o que se tem:
- delações suspeitas (de pessoas que já tinham sido presas e não tinham delatado Lula e "resolveram" de uma hora para outra delatá-lo.
- um triplex que não está no seu nome, no nome de ninguém da sua família, de ninguém das suas relações, mas ao contrário, o imóvel continua no nome da OAS e sendo usado como garantia de operações de crédito pela empresa. Se o imóvel não está sendo e nunca foi usado por Lula e sua família e nem mesmo como patrimônio, que vantagem Lula teria em ter um imóvel desse?
- ilações sem nenhuma prova, nenhuma provinha sequer que possa garantir uma mínima culpabilidade a ele.
Por outro lado:
- a mídia brasileira tem mais 2 mil horas de matérias televisivas contra Lula nesses dois anos;
- são ao todo 32 capas de revistas semanais com denúncias gravíssimas (sem nenhuma prova) contra Lula nesses mesmos dois anos;
- são 3.2 mil metros de matérias jornalísticas (sem nenhuma prova) contra Lula nos jornais diários nesse período;
- Certamente o maior linchamento midiático de que se tem conhecimento na história do Brasil depois da era Vargas.
E eu sou o ingênuo???
Tá bom... vc é mesmo o suprassumo da perspicácia e inteligência... já eu, um bobinho ingênuo sendo enganado pelo bicho papão do Lula, que come criancinhas..."

_Helder Molina (presidente da Mongeral) publicado em seu facebook

DEZ CONSELHOS PARA  MILITANTES DE ESQUERDA - Frei BETTO
(serve para não religiosos também)

1. Mantenha viva a indignação.
Verifique periodicamente se você é mesmo de esquerda. Adote o critério de Norberto Bobbio: a direita considera a desigualdade social tão natural quanto a diferença entre o dia e a noite. A esquerda a encara como uma aberração a ser erradicada.

Cuidado: você pode estar contaminado pelo vírus social-democrata, cujos principais sintomas são usar métodos de direita para obter conquistas de esquerda e, em caso de conflito, desagradar aos pequenos para não ficar mal com os grandes.

2. A cabeça pensa onde os pés pisam.
Não dá para ser de esquerda sem "sujar" os sapatos lá onde o povo vive, luta, sofre, alegra-se e celebra suas crenças e vitórias. Teoria sem prática é fazer o jogo da direita.

3. Não se envergonhe de acreditar no socialismo.
O escândalo da Inquisição não faz os cristãos abandonarem os valores e as propostas do Evangelho. Do mesmo modo, o fracasso do socialismo no Leste europeu não deve induzi-lo a descartar o socialismo do horizonte da história humana.

O capitalismo, vigente há 200 anos, fracassou para a maioria da população mundial. Hoje, somos 6 bilhões de habitantes. Segundo o Banco Mundial, 2,8 bilhões sobrevivem com menos de US$ 2 por dia. E 1,2 bilhão, com menos de US$ 1 por dia. A globalização da miséria só não é maior graças ao socialismo chinês que, malgrado seus erros, assegura alimentação, saúde e educação a 1,2 bilhão de pessoas.

4. Seja crítico sem perder a autocrítica.
Muitos militantes de esquerda mudam de lado quando começam a catar piolho em cabeça de alfinete. Preteridos do poder, tornam-se amargos e acusam os seus companheiros (as) de erros e vacilações. Como diz Jesus, vêem o cisco do olho do outro, mas não o camelo no próprio olho. Nem se engajam para melhorar as coisas. Ficam como meros espectadores e juízes e, aos poucos, são cooptados pelo sistema.

Autocrítica não é só admitir os próprios erros. É admitir ser criticado pelos (as) companheiros (as).

5. Saiba a diferença entre militante e "militonto".
"Militonto" é aquele que se gaba de estar em tudo, participar de todos os eventos e movimentos, atuar em todas as frentes. Sua linguagem é repleta de chavões e os efeitos de sua ação são superficiais.

O militante aprofunda seus vínculos com o povo, estuda, reflete, medita; qualifica-se numa determinada forma e área de atuação ou atividade, valoriza os vínculos orgânicos e os projetos comunitários.

6. Seja rigoroso na ética da militância.
A esquerda age por princípios. A direita, por interesses. Um militante de esquerda pode perder tudo: a liberdade, o emprego, a vida. Menos a moral. Ao desmoralizar-se, desmoraliza a causa que defende e encarna. Presta um inestimável serviço à direita.

Há pelegos disfarçados de militante de esquerda. É o sujeito que se engaja visando, em primeiro lugar, sua ascensão ao poder. Em nome de uma causa coletiva, busca primeiro seu interesse pessoal.

O verdadeiro militante, como Jesus, Gandhi, Che Guevara, é um servidor, disposto a dar a própria vida para que outros tenham vida. Não se sente humilhado por não estar no poder, ou orgulhoso ao estar. Ele não se confunde com a função que ocupa.

7. Alimente-se na tradição da esquerda.
É preciso oração para cultivar a fé, carinho para nutrir o amor do casal, "voltar às fontes" para manter acesa a mística da militância. Conheça a história da esquerda, leia (auto) biografias, como o "Diário do Che na Bolívia", e romances como "A Mãe", de Gorki, ou "As Vinhas de Ira", de Steinbeck.

8. Prefira o risco de errar com os pobres a ter a pretensão de acertar sem eles.
Conviver com os pobres não é fácil. Primeiro, há a tendência de idealizá-los. Depois, descobre-se que entre eles há os mesmos vícios encontrados nas demais classes sociais. Eles não são melhores nem piores que os demais seres humanos. A diferença é que são pobres, ou seja, pessoas privadas injusta e involuntariamente dos bens essenciais à vida digna. Por isso, estamos ao lado deles. Por uma questão de justiça.

Um militante de esquerda jamais negocia os direitos dos pobres e sabe aprender com eles.

9. Defenda sempre o oprimido, ainda que, aparentemente, ele não tenha razão.
São tantos os sofrimentos dos pobres do mundo que não se pode esperar deles atitudes que nem sempre aparecem na vida daqueles que tiveram uma educação refinada.

Em todos os setores da sociedade há corruptos e bandidos. A diferença é que, na elite, a corrupção se faz com a proteção da lei e os bandidos são defendidos por mecanismos econômicos sofisticados, que permitem que um especulador leve uma nação inteira à penúria.

A vida é o dom maior de Deus. A existência da pobreza clama aos céus. Não espere jamais ser compreendido por quem favorece a opressão dos pobres.

10. Faça da oração um antídoto contra a alienação.
Orar é deixar-se questionar pelo Espírito de Deus. Muitas vezes, deixamos de rezar para não ouvir o apelo divino que exige a nossa conversão, isto é, a mudança de rumo na vida. Falamos como militantes e vivemos como burgueses, acomodados ou na cômoda posição de juízes de quem luta.

Orar é permitir que Deus subverta a nossa existência, ensinando-nos a amar, assim como Jesus amava, libertadoramente.

Frei Betto é escritor, autor do romance "Entre todos los hombres" (Editorial Caminos, La Habana), entre outros livros.

Fascismo e Terrorismo foram minimizados e rebaixados a “hostilidade” pela mídia golpista
_Rodrigo Perez Oliveira:
"Nada diz mais sobre o Brasil, sobre o que somos há muito tempo, que a caravana de Lula pelo sul do país. Em terras sulistas, por onde Lula passou foi hostilizado pela classe proprietária, pela elite da terra.

Não!
Chamar de “hostilidade” é pouco.

O que aconteceu na etapa sulista da caravana “Lula pelo Brasil” foi uma sucessão de atentados contra a vida de Lula e de seus correligionários políticos. Começou com chicotadas, agressões e pedradas e chegou, no último dia 27 de março, a tiros de arma de fogo.

Não foi ovo, não foi cocô. Foi tiro. Tiro de arma de fogo.

Como entender essa escalada de violência na política Brasileira?

Muitos falam em “fascismo”, termo que tem notória força política e que por isso seu uso no debate público talvez tenha lá alguma importância.

Mas estou convencido de que se quisermos fazer uma interpretação mais rigorosa da realidade, o termo é equivocado, pois mais confunde do que esclarece. Definir como “fascista” a escalada da violência na política brasileira demandaria tantos reparos e observações para mostrar como o “fascismo brasileiro” é diferente daquele “fascismo clássico” europeu de meados do século XX que o próprio conceito perderia força explicativa.

Por isso, prefiro seguir uma via interpretativa doméstica, tomando as manifestações de violência contra a caravana de Lula no sul do Brasil como representativas daquilo que o Brasil é, do que sempre foi.

É este o meu esforço neste ensaio: tomo a violência contra a caravana de Lula como ponto de partida para uma interpretação do Brasil.

Começo, então, com a pergunta que não quer calar, com a pergunta que, talvez, seja a mais importante de ser feita no atual momento da história do Brasil:

Por que as elites brasileiras odeiam Lula?

Nem de longe Lula foi um Presidente revolucionário, nem de longe relou no “sagrado” direito de propriedade privava. As elites brasileiras não perderam dinheiro nos governos de Lula. Muito pelo contrário, nunca ganharam tanto.

De onde vem todo esse ódio?

Não penso que seja necessária a importação de um conceito específico da história europeia para a compreensão de uma realidade que é tão brasileira quanto a jabuticaba. Não é fascismo não, não tem nada a ver com fascismo.

O fascismo é moderno, é o desdobramento mais grotesco da modernidade.

O ódio a Lula é arcaico, deita suas raízes nos velhos valores aristocráticos, pré-modernos, na lógica da Casa Grande, em uma racionalidade de tipo antigo.

Não é fascismo não. É o Brasil mesmo.

Sei que é difícil reconhecer, mas no fundo, bem no fundinho, é só o velho Brasil de sempre. Em pouco mais de uma década de bonança, nos enganamos, fomos ingênuos, achando que o Brasil estava mudando, melhorando. Mudou não. Melhorou não. Tá igualzinho ao que sempre foi.

Não há como falar nessa atualização do “Brasil de sempre” sem dedicar alguma atenção à “instituição Lula”.

Pois sim, o “homem Lula” já morreu e deu lugar a uma instituição.

Lula é a maior instituição política da história do Brasil. É tolo quem acha que uma instituição pode ser morta com uma bala ou com uma facada. Todos os brasileiros e brasileiras terão que conviver com a “instituição Lula” daqui para frente. Ninguém mais faz política no Brasil sem passar por Lula, seja para negá-lo ou para reivindicar o seu legado.

Mas o que significa essa instituição?

Há pouco tempo, escrevi um ensaio sugerindo que no final da década de 1990 aconteceu dentro do PT a “guinada lulista”, que teve efeitos contraditórios para o maior partido político da história da esquerda latino-americana: o lulismo, ao mesmo tempo em que catapultou o PT à chefia do Poder Executivo, representou o seu colapso ideológico.

É que o lulismo aposta na conciliação de classes e ao fazê-lo acaba negando o princípio da luta de classes, que é o núcleo da identidade ideológica de qualquer partido que pretenda estar à esquerda.

O lulismo achou que era possível “ajudar os pobres sem incomodar os de cima’, na certeira formulação de Marcelo Odebrecht.

No frigir dos ovos, essa conciliação seria mesmo possível.
Com algum sacrifício da classe média e com uma situação econômica relativamente favorável, seria possível distribuir renda para os mais pobres sem contrariar os interesses dos grandes capitalistas.

Dinheiro no bolso do povão, expansão do crédito, incentivo ao consumo, bancarização das relações comerciais, investimento na exportação de commodities. Todo mundo saiu ganhando, ainda que uns tenham ganhado mais que outros.

Com o boom do consumo, ganhou o capital produtivo.

Com a bancarização das relações comerciais, ganhou o rentismo.

Com o micro-crédito, ganhou o pobre, que comprou geladeira, TV de plasma e viajou de avião pra lá e pra cá.

A fórmula funcionou durante dez anos. O fator “Dilma Rousseff” foi o principal elemento de desestabilização do sistema. Não foi o único elemento, é claro que não. Mas foi o principal.

É que Dilma tensionou demais.

Dilma tensionou com o rentismo na batalha dos spreads, tensionou com a classe política, quando acreditou que a “Operação Lava Jato” seria de fato republicana.

O golpe de 2016 não foi exatamente contra o lulismo. Foi contra o dilmismo.

Duvido que Lula cairia, duvido muito. Mas não é disso que quero falar, não aqui, não agora.

O que estou querendo dizer é que pela lógica racional do mercado, do capitalismo, não há nenhum motivo para as elites brasileiras odiarem Lula.

Os donos de terra do sul do Brasil receberam muito dinheiro do governo federal durante a Era Lula, pois a exportação das commodities era o grande combustível econômico da conciliação lulista. Era importante para o governo que os proprietários produzissem, vendessem, ganhassem dinheiro.
 Lula tratou agronegócio com muito carinho, com muito carinho mesmo.

De onde vem esse ódio? Por que os proprietários sulistas tentaram matar Lula? É por causa da corrupção?

Não, não tem nada a ver com corrupção. Há outros políticos notoriamente corruptos que não despertam o mesmo ódio. Nunca é demais lembrar que os mesmos que hoje odeiam Lula aplaudiram Eduardo Cunha e votaram em Aécio Neves. O problema dessas pessoas nunca foi a corrupção.

O ódio é arcaico, é de tipo antigo.

Lula é o nordestino, trabalhador manual, homem de berço plebeu que ousou governar.

Num país em que a política formal sempre foi assunto a ser tratado entre iguais, entre oligarcas, Lula representa o radicalismo, ainda que na posição de mandatário maior da República tenha sido bem tímido, talvez até um tanto conservador.

É que o radicalismo de Lula independe de suas ações. Lula é o próprio radicalismo, é o radicalismo em pessoa, não importa o que faça, não importa o que deixe de fazer, não importa o quanto tente conciliar.

Com aquela “alma de pobre”, com aquelas escorregadelas nas concordâncias e nos plurais, Lula jamais conseguirá conciliar por muito tempo, pois para conciliar carece antes de ser aceito como mediador. Precisa sentar à mesa.

O aristocrata não aceita sentar à mesa com o plebeu.

As elites brasileiras têm nojo de Lula, sempre tiveram. Mesmo ganhando dinheiro durante o governo Lula, elas continuaram sentindo nojo, odiando. É que para as elites brasileiras o mais importante não é, exatamente, o dinheiro. O mais importante é a distinção.

Não importa se o aquecimento do consumo é positivo para a cadeia produtiva. Quando a empregada usa o mesmo perfume que a patroa, quando o filho do porteiro começa a estudar na universidade, é o regime da distinção que está sendo abalado.

Patroa e empregada, sinhá e mucama, não podem ter o mesmo cheiro. Não importa se a empregada “tirou” o tal perfume no cartão de crédito, pra pagar em 12 suaves prestações. Não importa se a empregada, depois da jornada de trabalho, vai sacolejar duas horas no trem e no ônibus para chegar em casa, no outro lado da cidade.
O que importa é o cheiro, é o signo de distinção.

Não importa se o morador do 10° andar vai passear em Paris nas férias, enquanto o porteiro vai visitar “mainha” em Santo Amaro. O que importa mesmo é que quando começar o semestre, o filho do porteiro estará lá, na mesma sala que filho do morador do 10° andar. Olhando de longe, bem de longe, eles são iguais, são estudantes. O absurdo está aqui. O ódio vem daqui.

É isso: não tem nada a ver com fascismo. O que explica a escalada de violência na política brasileira é o ódio de uma elite arcaica que goza com a distinção.


Não é fascismo. O fascismo é a tragédia da Europa moderna. Nossa tragédia é outra.

É a tragédia de uma sociedade de modernização incompleta, forjada no escravismo e controlada por uma elite historicamente comprometida com o atraso."
"Lula foi condenado por suas virtudes, não por seus eventuais pecados. Lula é imenso, do tamanho do Brasil. Lula é a história."
“Lula não foi condenado pelo “tríplex”. Lula foi condenado quando decidiu que cada brasileiro deveria fazer três refeições por dia. Lula foi condenado quando tirou o brasil do mapa da fome mundial. Lula foi condenado quando milhões ascenderam socialmente. Lula foi condenado quando decidiu que pobres poderiam chegar à universidade e às escolas técnicas. Lula foi condenado quando a filha do pedreiro virou engenheira, o filho do garçom virou advogado e o negro favelado deixou de ser bandido para ser médico: invertendo, assim, a lógica dessa porra toda. Lula foi condenado quando começou a dar show pelo mundo, no g-20, nas nações unidas e nos cambau a quatro. Lula foi condenado quando investiu mais em educação e saúde que todos os outros presidentes. Lula foi condenado quando investiu no nordeste brasileiro, sempre esquecido. Lula foi condenado quando mostrou à elite deste país que um operário sabia governar. Lula foi condenado quando alcançou 80% de aprovação popular. Lula foi condenado por suas virtudes, não por seus eventuais pecados. Lula é imenso, do tamanho do Brasil. Lula é a história."